Deixando seu Cérebro brainloko.

Cérebro maluko.

Como hoje é SEXTA-FEIRA, resolvemos publicar algumas imagens que deixam o nosso “brain” maluko. Afinal, não temos explicação lógica pra coisa, mas a vemos ali acontecendo…

giphy-1

Na verdade o nosso cérebro cria a realidade pra gente. E quase tudo é questão de percepção.

Essa imagem abaixo é uma das imagens que eu mais gosto.  🙂

tumblr_muv9x46utY1skm5z6o1_400

Oi? Komoassim???

 

E ela, é loira ou morena?

Pra descobrir, olhe por uns 30 segundo fixamente pro ponto em vermelho no nariz dele e então fixe seus olhos em uma superfície lisa, como uma parede branca, por exemplo. Sim, você descobrirá a SUA resposta!

loira-morena-ilusão

Por que isso acontece?

A explicação está nos olhos e no cérebro. Acontece que as células da retina, localizada no fundo dos olhos, contém diversas células sensíveis à luz e às cores. Quando elas são estimuladas por luzes mais intensas ou imagens com muito contraste, a sensibilidade dessas células fica alterada por alguns segundos e a cor, ou o estímulo luminoso oposto, tende a sobressair. Como não deu tempo da retina retomar a sua condição fisiológica natural depois de uma estimulação mais intensa, o que pode durar cerca de 20 segundos, as informações passadas ao cérebro acabam sendo parciais.

Esse fenômeno é conhecido como pós-efeito negativo, e envolve um mecanismo de adaptação neurossensorial. Ele mostra como a percepção que construímos em relação ao mundo é totalmente dependente da nossa capacidade de coletar adequadamente as informações desse mesmo mundo.

 

A última!

confunde brain

O gato está subindo ou descendo?

Esse caso é meio como o do vestido, lembram que algumas pessoas viam o vestido azul e preto, e outras viam o vestido branco e dourado? Aqui algumas pessoas veem o gato subindo, outras veem o gato descendo e outras… Ah, outras veem o que querem de acordo com o humor do dia. rs

Sério agora…

A verdade sobre a imagem.

Se um perito analisasse a fotografia, ele certamente diria: o gato está descendo a escada e a pessoa que tirou a suposta fotografia estaria no andar de baixo. Como ele chegaria a essa conclusão? Não é tão difícil. Repare que cada degrau tem um detalhe, uma “irregularidade’, como se fosse um pequeno degrau antes de decair. Caso o gato estivesse subindo as escadas, o plano normal de cada degrau apresentaria essa irregularidade, o que ficaria no mínimo estranho, do ponto de vista da funcionalidade de uma construção.

escada-madeira-01_2

Por que o cérebro vê de duas maneiras?

Inconscientemente, o cérebro faz uma avaliação de toda a paisagem para detectar sinais que o possam auxiliar em sua interpretação final. O problema é que, neste caso, alguns desses sinais podem ser interpretados de formas diferentes, por pessoas distintas, ou mesmo de forma dúbia, pela mesma pessoa, em momentos distintos. Se você encarar que a claridade na porção superior da imagem teria relação com a luz natural, do sol, e acabasse por perceber o céu lá no fundo, ficaria mais provável interpretar a situação como o gato descendo a escada. Esta, por sua vez, levaria (quem a subisse) ao ponto mais alto do ambiente. Um terraço, talvez.

Agora, se você concebe a luminosidade, mesmo que inconscientemente, numa fração de segundo, como de origem artificial, por exemplo, uma lâmpada acesa em um sala, você tenderia a interpretar o gato como subindo a escada (e, obviamente, não deve ter dado tanta atenção aos detalhes nos degraus). Estatisticamente, essa versão seria a mais incomum, porque não estamos acostumados a subir de um ponto de claridade natural para outro mais escuro. Em uma concepção comum de realidade, o céu está sempre no topo.

Esta é apenas uma explicação aproximada do fenômeno, já que a interpretação final que cada cérebro elaborará irá depender fundamentalmente das memórias remotas arquivadas, das experiências vividas, como por exemplo o lugar onde a pessoa mora, ou trabalha, se alguma característica do local é ou foi emocionalmente importante (tornando-se vívida mais rapidamente na memória), o ambiente em que se encontra no momento em que vê a imagem, a percepção que tem de sombras e luminosidade, e por aí vai…

Legal, né?!

Se vc curtiu esse post, compartilha. 

Compartilhar é amar, baby!  😉 

* E lembre-se de assinar nossa nossa newsletter.   

newsletter neuromarketing

Essas explicações foram tirados dos textos de Leonardo Faria  – Neurocirurgião que atua na região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. Membro-sócio titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia. Idealizador e CEO do Grupo MeuCérebro.

Comments

comments

Author: Erica Ariano

Erica Ariano é uma empreendedora criativa, apaixonada por tudo que é futurista e único. Sofre de curiosidade latente e desprendimento de convenções. É Marketing & Brand Specialist, e ajuda empresas e pessoas a determinarem a direção e a força que precisam para terem sucesso em seus negócios. Também é "expert mentor" de jovens empreendedores pelo Yunus&Youth Fellowship Program e coordenadora do comitê de Neuromarketing na Neurobusiness.org. * Toma muito café, adora viajar, curte natação, bike e corrida.

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

↓

Pin It on Pinterest

Share This